Que língua fala a poesia? Diálogos poéticos e políticos em devir

Ana Luísa Amaral

4577

  • Workshop
  • +
  • Workshop
  • +
  • Workshop
  • +
  • Workshop

Venha explorar a arte de recriar um determinado tempo ou lugar histórico de forma rigorosa e capaz de envolver o leitor com Maria João Lopo de Carvalho, uma das autoras que melhor domina estas viagens no tempo. Nesta oficina, a autora vai desvendar os segredos por trás do romance histórico, desde a sua relação com a investigação académica, passando pela pesquisa ou como caracterizar as personagens. Uma oficina que pretende colocar o autor a olhar para o romance histórico sem preconceitos e sem temores.

REF: W-ALA-QLFP Categorias: , Etiqueta:

Neste workshop em duas sessões discutir-se-á a língua da poesia como uma língua sempre estrangeira, e todavia comum. Partindo de poemas escritos por poetas de diferentes nacionalidades e períodos, desde o período medieval (por exemplo, Beatrice de Die ou João Roiz de Castello Branco) até aos nossos dias (por exemplo, Louise Glück ou Sophia de Mello Breyner), mostrar-se-á como a poesia, ao falar de amor, de solidão, de injustiça, do quotidiano, de política, ou de si mesma, sempre falou, afinal, em língua para lá da nacional, do mundo que é de tod@s.

Metodologia

Serão fornecidos previamente aos participantes poemas vários que deverão ser discutidos e comentados em cada uma das sessões deste workshop.

Quando

Datas: 8 e 15 de abril (quintas-feiras)
Horário: 18.30 às 20.30
Duração total: 4 horas

Pack Premium

  • Arder a Palavra
  • Vozes

Pack Gold B

  • Vozes

Pack Gold A

  • Arder a Palavra

Pack Standard

Este pack não inclui livros.

    Sobre o Especialista

    • Ana Luísa Amaral

      Ana Luísa Amaral (1956) é autora de mais de três dezenas de livros, quer de poesia, quer de teatro, quer de ficção, quer infantis. As suas obras mais recentes em Portugal são What’s in a Name (poesia, Assírio & Alvim, 2017), Lenga Lenga de Lena, a Hiena (infantil, Zero a Oito, 2019) e Arder a Palavra e Outros Incêndios (ensaio, Relógio D’Água, 2017, vencedor do Prémio da Associação Portuguesa de Críticos Literários). Os seus livros estão traduzidos e editados em países como Inglaterra, Brasil, França, Espanha, Suécia, Itália, Holanda, Colômbia, Venezuela, México, Alemanha ou Estados Unidos da América.  Traduziu diferentes autores, como Emily Dickinson, William Shakespeare, John Updike ou Louise Glück. Obteve várias distinções e prémios ao longo da sua carreira.

    Shopping Cart
    Scroll to Top