Viver para contar: escritores no cinema

Pedro Mexia

60

Dirigido a cinéfilos e curiosos, e pela lente de Resnais, Tarkovski ou Woody Allen, Pedro Mexia olha para os escritores enquanto personagens de filmes.

Esgotado

REF: W-PM-VPC Categoria: Etiquetas: , , ,

Todos conhecemos muitíssimas adaptações cinematográficas de obras literárias e muitos biopics, mais ou menos previsíveis, sobre a vida de escritores (que é, diga-se de passagem, desinteressante: escrever), mas onze destes filmes, de mestres como Resnais e Tarkovski a jovens como Alex Ross Perry, imaginam a vida de escritores imaginários e o modo como o facto de serem escritores determina a vida que levam, nalguns casos desfazendo a fronteira entre verdade e efabulação. O décimo segundo filme, uma adaptação, ainda que sui generis, de uma peça de teatro, A Tempestade, lembra-nos que Shakespeare já sabia tudo isso quase três séculos antes do cinema.

Programa

  1. Providence (1977), Alain Resnais
  2. Nostalgia (1983), Andrei Tarkovski
  3. O Turista Acidental (1988), Lawrence Kasdan
  4. Uma Outra Mulher (1988), Woody Allen
  5. Barton Fink (1991), Joel Coen
  6. Os Livros de Próspero (1991), Peter Greenaway
  7. A Eternidade e um Dia (1998), Theo Angelopoulos
  8. Wonder Boys – Prodígios (2000), Curtis Hanson
  9. O Estádio de Wimbledon (2001), Mathieu Amalric
  10. Swimming Pool (2003), François Ozon
  11. Poesia (2010), Lee Chang-Dong
  12. Listen Up Philip (2014), Alex Ross Perry

Quando

Datas: 24 e 26 de novembro (terça e quinta-feira)
Horários: 18.30 às 21.30
Duração total: 6 horas

Sobre o Especialista

  • Pedro Mexia

    Pedro Mexia nasceu em Lisboa, em 1972. É crítico literário e cronista do Expresso. Tem participado em programas de rádio e televisão, entre os quais PBX e Governo Sombra. Foi subdiretor e diretor interino da Cinemateca. Exerce funções de consultor cultural do Presidente da República. Publicou cinco volumes de diários, sete livros de poemas, antologiados em Poemas Escolhidos (2018), e sete coletâneas de crónicas, a penúltima das quais, Lá Fora (2018), venceu o Grande Prémio de Crónica da Associação Portuguesa de Escritores. Organizou antologias de Agustina Bessa-Luís, Rui Knopfli, Nelson Rodrigues e Graham Greene. Traduziu poetas e dramaturgos como Hugo Williams, Tom Stoppard e David Mamet. Coordena a coleção de poesia da Tinta-da-china. É co-diretor da Granta em Língua Portuguesa.

Shopping Cart
Scroll to Top