Categorias
Educação

Workshop por LÚCIA VICENTE «Feminismos de A a Ser»

Uma viagem pelo universo dos feminismos, entre teorias e literatura, com direito a discussão e desconstrução de velhos tabus: não, as feministas não são feias, porcas e más e não pretendem a aniquilação do sexo masculino.

Workshop por LÚCIA VICENTE «Feminismos de A a Ser»
© Antonio Janeski – Unsplash | © DR

A especialista

Lúcia Vicente nasceu em outubro de 1979, à beira da Ria Formosa, em Faro, numa família cheia de mulheres. Cedo se questionou sobre o papel da mulher na sociedade e por que razão os livros de História nunca mencionavam mulheres. Até hoje não conseguiu responder a estas questões, apesar da licenciatura em História. Com tendência para mudar de poiso de 10 em 10 anos: a última vez, farta de gente, saiu de Berlim direitinha para um monte alentejano, onde vive com o seu companheiro, filha e os seus dois cães bebés, o Johnny e o Cash. Já teve milhões de ofícios. O que mais gosta é o de ser escritora e dedicar-se à educação para o feminismo. Em 2018 publicou o seu primeiro livro para crianças, ​Portuguesas com M Grande​, e em 2019 a coleção infantil Sarita Rebelde​ — os livros de princesas sempre lhe provocaram urticária. ​Feminismo de A a Ser,​ o seu segundo livro, tenta (com dificuldade) educar adultos. A sua frase preferida é: Morra o patriarcado, morra! Pim!

Descritivo

Neste workshop pretende-se discutir, esclarecer e apresentar vários feminismos espalhados pelo mundo, contextualizando-os nas suas realidades e necessidades, do feminismo europeu ao feminismo indiano, dando um salto à América Latina e a África. Para que serve, afinal, isto do feminismo? E o que é a identidade de género? Qual o contrário de machismo? Posso ensinar o meu filho a ser feminista? Como? Estas e outras perguntas serão respondidas nestes encontros, que se querem plurais e abertos a todxs.

Programa

Feminismo europeu e dos EUA: as vagas feministas

— O que é feminismo? E o que não é feminismo?
— Machismo, femismo e o sistema patriarcal.
— As diferentes correntes do feminismo europeu/EUA: do feminismo radical ao feminismo liberal.
— Sororidade e empreendedorismo feminino: a arma da quarta vaga feminista.
— Quem é quem de cada vaga do feminismo europeu/EUA?
— Mary Wollstonecraft e o Vindicação dos Direitos das Mulheres.
— O pioneirismo e erros no pensamento de Simone de Beauvoir: a outra e não as outras.
— Bibliografia e outros.

Feminismo negro, feminismo pós-colonialista e outros feminismos

— Existe a necessidade de feminismo negro?
— O que é o feminismo pós-colonialista e porque surgiu?
— Interseccionalidade? O que é?
— Feminismos pelo mundo: ativistas, movimentos, reivindicações.
— O pensamento de Grada Kilomba, Djamila Ribeiro e bell hooks.
— Bibliografia e outros.

Identidades de género vs identidade biológica

— Afinal nasce-se mulher ou não? As diferentes teorias.
— As diferentes identidades de género: não-binarismo, transsexualidade, intersexualidade, agénero, hermafroditismo.
— Os media como aliados do sistema patriarcal para a construção da norma identitária de género.
— A cultura popular e as identidades de género, raça e corpo.
— Judith Butler e a teoria queer.
— Propostas para a igualdade de géneros na linguagem do dia a dia.
— Bibliografia e outros.

Ler feministas, ensinar feministas e educar para o feminismo

— O feminismo na literatura.
— O que aconteceu para não estudarmos feministas nas aulas de Português e de História?
— Escritoras feministas: Virginia Woolf, Clarice Lispector, Lucia Berlin, Margaret Atwood, Judith Teixeira, Maria Archer, Florbela Espanca, Maria Teresa Horta, Lygia Fagundes Telles, Isak Dinesen (pseudónimo de Karen Blixen), Chimamanda N. Adichie, entre outras.
— É importante educar para o feminismo?
— Como educar para o feminismo?
Protege a tua filha. Educa o teu filho.
— Literatura infantil feminista: das raparigas mais rebeldes às princesas do rock.
— Bibliografia e outros.

Método de ensino

Online (Plataforma Zoom).

Quando

Datas: 23 de março a 1 de abril (terças e quintas-feiras).

Horário: 18.30 às 20.30.

Duração total: 8 horas.

Preço

Preços especiais de lançamento

Pack Standard (Workshop 8h): 70 €

Pack Gold Feminismo (Workshop 8h + Feminismo de A a Ser*): 84 €

Pack Gold Portuguesas (Workshop 8h + Portuguesas com M Grande*): 85 €

Pack Premium (Workshop 8h + Feminismo de A a Ser + Portuguesas com M Grande*): 98 €

*Portes gratuitos para Portugal Continental. Fora de Portugal Continental: a definir consoante o destino.

Promoções em vigor válidas apenas para a modalidade «Standard».

Inscrições

As inscrições terminam a 22 de março.

O livro Feminismo de A a Ser

Feminismo de A a Ser

«Se as mulheres param, o mundo pára.»

A 8 de Março de 2019, a primeira greve nacional feminista em Portugal esvaziou locais de trabalho e encheu as ruas de homens e mulheres em protesto contra a desigualdade social e laboral, a violência de género e todas as formas de descriminação a que as mulheres estão, ainda, sujeitas.

A igualdade de direitos, de deveres e de oportunidade para todos, independentemente do seu género, credo ou raça, está prevista na lei. A vida das pessoas e os números a que dão origem, porém, demonstram que a concretização desta prerrogativa continua longe do horizonte da maioria. Preconceitos culturais profundamente enraizados na mentalidade da sociedade, como o machismo, a homofobia, o racismo, acompanhados de normas sociais particularmente penalizantes para as mulheres, fazem do feminismo uma luta universal e premente a que todos devemos juntar-nos. No entanto, «feminismo» e «feminista» ainda são palavras que provocam desdém e desconfiança em muitos, que vêem nele uma guerra vingativa contra os homens e contra a sociedade.
O feminismo pode lutar com todas as suas armas contra as desigualdades sociais e contra o machismo, mas o seu maior inimigo continua a ser a desinformação.
Por isso, Lúcia Vicente, feminista convicta e activista, fez desta a sua luta e escreveu Feminismo de A a Ser, uma espécie de manual do utilizador feminista, para que todos conheçam a história deste movimento, as suas reivindicações, as suas personagens e momentos mais marcantes, os seus dados mais relevantes, de onde vem e para onde quer ir.

Para que todos fiquem a saber o que é – e o que não é – o Feminismo.

O livro Portuguesas com M Grande

Portuguesas com M Grande

Um livro para nunca esquecermos como aqui chegámos e nos lembrarmos de que poderemos ir ainda mais longe.

O que têm em comum a padeira Brites de Almeida, a sufragista Beatriz Ângelo, a atriz Beatriz Costa e a pintora Paula Rego? Além de serem todas mulheres, lutadoras, corajosas, independentes e livres… são Portuguesas com M Grande!


Todos temos o sonho de mudar o mundo e mudar com ele, de criar futuros e esperança, de ser livres para escolher, transformar, crescer e aprender, de errar e construir um caminho, de viver uma vida em pleno. E hoje todos podemos fazê-lo. Mas para aqui chegar foi necessária a coragem de mulheres sem medo de ir mais longe e com um grande desejo de mudança.

Formulário de inscrição



Dados de faturação